• facebook
  • youtube
  • instagram
  • flickr
  • linkedin
  • twitter

A gastronomia típica da Ilha de Santa Catarina: um elemento de importância para o turismo cultural

Publicado em 2012 Autor: Bianca Oliveira Antonini

Este trabalho pretende demonstrar que, passados 250 anos, culturalmente não se pode mais utilizar a terminologia “gastronomia açoriana” nos restaurantes da Ilha de Santa Catarina como um diferencial no marketing turístico, cultural e gastronômico da restauração. Muitos dos hábitos alimentares trazidos pelos açorianos foram modificados não só pelo clima, mas também devido à ausência de produtos básicos da sua alimentação original e pela influência das novas culturas alimentares pertencentes aos índios, considerados nativos da ilha e dos vicentistas, seus primeiros povoadores. Ao longo do tempo a cultura alimentar deu origem a uma nova gastronomia típica, formada por várias culturas.

Alimentação e culinária na cultura dos descendentes de açorianos em Santo Antônio de Lisboa – Florianópolis (Ilha de Santa Catarina – Brasil)

Publicado em 2010 Autor: Rose Maria Martins Gomes de Sousa

O tema condutor do trabalho reside na análise da comida identificada como açoriana, como parte das reivindicações identitárias de habitantes de Florianópolis, Santa Catarina - Brasil. Com esse efeito, estudamos Santo Antônio de Lisboa, localizado no norte da Ilha, uma das localidades onde se instalaram as primeiras comunidades de imigrantes açorianos, em meados do Século XVIII (1748-56), e que portanto, nas últimas décadas, assim como por toda Ilha tem vindo a reivindicar uma cultura de matriz açoriana. Pretendemos com este estudo de caso contribuir para a análise do papel da alimentação e da cozinha na construção das identidades colectivas. O trabalho se desdobrará em várias dimensões temáticas: uma síntese de bibliografia oriunda da antropologia e sociologia da alimentação; a questão da identidade relacionada com a alimentação e a cozinha; a história dos imigrantes açorianos em Santa Catarina, Florianópolis e Santo Antônio de Lisboa; a alimentação e a culinária no Arquipélago açoriano e na ilha de Santa Catarina. Dá-se um destaque particular ao seu objectivo central: a exaltação da identidade açoriana, reivindicada pelos habitantes locais, através da alimentação e da culinária.

Educação Profissional em Cozinha e Serviços de Restaurante na França

Publicado em 2013 Autor: Fernando Goulart Rocha; Fabiana Mortimer Amaral; Jean François Mathieu Bruneliere

Ressalta a estrutura acadêmica e as políticas de formação para as atividades do turismo na França. Foram realizadas visitas a duas instituições francesas voltadas à Educação Profissional, constatando forte vínculo entre as práticas pedagógicas das instituições de Educação Profissional francesas e a rotina de funcionamento do mercado de trabalho na referida área. Em outro sentido, foram avaliadas como positivas as políticas nacionais de orientação curricular e avaliação do ensino vigentes na França. Conclusão: A partir da experiência francesa, almeja-se que o estudo seja capaz de colaborar para qualificação profissional dos trabalhadores de Cozinha e Serviços de Restaurante e contribuir para o desenvolvimento das atividades do turismo no território brasileiro.

Elementos constituintes para uma Aromateca: uma projeção possível

Publicado em 2017 Autor: Jorge Moisés Kroll do Prado

A partir dos últimos anos do século XX, as bibliotecas passaram a adotar um formato diferente de atuação. Seja para que se pudessem manter respeitadas pela sociedade, seja pela necessidade imprescindível de se reinventarem, os livros começaram a deixar de ser a única fonte de informação. As tecnologias, sejam as de aparatos físicos (dispositivos), sejam as digitais (aplicativos e softwares), também colaboraram para que essa transformação começasse a ser constatada. Vários novos produtos e serviços de informação nasceram de um acompanhamento do desenvolvimento social, cultural e econômico, das tecnologias e das novas formas de ensinar e de aprender. Os bibliotecários começaram a entender que precisavam abrir espaços entre suas estantes para alcançar e propor novas formas de disseminar e criar informação. É dentro desse contexto que neste capítulo quero apresentar os elementos fundamentais para a criação e o desenvolvimento de uma aromateca de especiarias.

Gastronomia como Identidade de Marca para Destinos Turísticos em Cidades Criativas

Publicado em 2018 Autor: Guilherme Henrique Koerich, Richard Perassi Luiz de Sousa e Francisco Antonio Pereira Fialho

As cidades criativas têm como característica basilar, processos contínuos de inovação e criação, sejam de ideias, tradições locais, tecnologias, produtos e serviços, em diversas áreas de concentração. Tal característica é responsável por despertar o interesse de turistas, fomentando a atividade turística no local.

O Tradicional e o Contemporâneo: Florianópolis, Cidade Unesco da Gastronomia

Publicado em 2016 Autor: Gisele Palma Moser, Krisciê Pertile Perini

Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina, está inserida nesta rede na categoria Gastronomia, desde 2014. Neste artigo busca-se apresentar os dados referentes à gastronomia local da cidade, bem como os fatores que auxiliaram na sua inclusão na Rede de Cidades Criativas.

PANC’s: a cultura alimentar de hortaliças tradicionais na modernidade

Publicado em 2018 Autor: Michel Abras

Este trabalho propõe a investigação da realidade social e cultural da região mineira do Santuário do Caraça e seu entorno, no que diz respeito à alimentação, em especial o consumo do que se tem tratado na contemporaneidade como Plantas alimentícias não convencionais - Panc. Nossa inquietude se concentra em como se dá a presença das tradições e culturas alimentares na modernidade contemporânea da região, em especial, no uso dessas plantas. Nosso objetivo é verificar se acontecem ressignificações de seu valor e seu uso, principalmente por intermédio do que chamamos aqui de mediações culturais. Para isso, realizaram-se pesquisas documentais e bibliográficas além de observação participativa e entrevistas com Instituições e atores que atuam na circulação cultural dos saberes da região como é o caso do Programa Primórdios da Cozinha Mineira – da história à mesa, o qual propomos analisar mais de perto. Observou-se, por intermédio das pesquisas, existir, de certo modo, uma dicotomia no que se refere ao conhecimento e ao consumo das Panc na alimentação da região, o que propomos descrever neste trabalho.

Patrimônio Cultural Gastronômico: identificação, sistematização e disseminação dos saberes e fazeres tradicionais

Publicado em 2012 Autor: Silvana Graudenz Müller

A pesquisa trata da preservação do conhecimento tradicional gastronômico reconhecido como patrimônio cultural a ser protegido. Esse conhecimento cultural é, sobretudo, tácito e compreende os saberes e fazeres transmitidos de pais para filhos que se encontram ameaçados frente ao fenômeno da globalização. O estudo descreve as formas de conversão do conhecimento tácito em conhecimento explícito sistematizado com vistas a sua preservação.

Plantas alimentícias não convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS

Publicado em 2007 Autor: Valdely Ferreira Kinupp

Muitas espécies de plantas espontâneas ou silvestres são chamadas de “daninhas”, “inços”, “matos” e outras denominações reducionistas ou pejorativas, pois suas utilidades e potencialidades econômicas são desconhecidas. No Brasil não se conhecem estudos sobre o percentual de sua flora alimentícia e poucas espécies nativas foram estudadas em relação à composição bromatológica e avaliadas sob o aspecto sensorial e fitotécnico. Visando minimizar parte destas lacunas foi executado o presente estudo na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), Rio Grande do Sul. Realizaram-se consultas aos herbários da região e revisões bibliográficas exaustivas tanto do aspecto florístico da RMPA quanto da literatura sobre plantas utilizadas na alimentação humana. Os estudos realizados mostraram o inequívoco potencial alimentício de um número significativo de espécies autóctones subutilizadas, cujo aproveitamento econômico poderá contribuir para o enriquecimento da dieta alimentar humana e o incremento da matriz agrícola brasileira e ou mundial.

Sustentabilidade e Desenvolvimento Turístico na Ilha de Santa Catarina

Publicado em 2004 Autor: Marília Hafermann

São trazidos à discussão aspectos que tornaram Florianópolis em capital turística. Em meio às transformações, baseadas no fomento ao turismo, metamorfoseou-se a cidade, turistificando-a, despertando discursos ambientais aliados à necessidade de práticas de turismo sustentável. Observou-se que a atividade turística fora uma vocação natural imposta, implantada de forma desordenada, tornando a cidade galvanizada com rapidez assustadora. Percebeu-se que as práticas turísticas atuais não consideram a sustentabilidade, ultrapassando a capacidade de desenvolvimento turístico e originando impactos negativos que, na maioria das vezes, descaracterizam a sustentabilidade dos atrativos naturais. Estes acontecimentos provocam sentimentos de preocupação em parte da população civil e administrativa, comprovando que a questão ambiental não pode mais ser ignorada: ela aparece aos nossos olhos e nos mostra na transformação da natureza que cuidar é preciso.

Endereço: Acate Downtown Rua Felipe Schmidt, 853 Centro - Sala 02 Florianópolis | SC 48 3251 0595 contato@observagastronomia.com.br
Fique por dentro de tudo que acontece no Observatório da Gastronomia das Cidades Criativas. Inscreva-se em nosso newsletter para receber as principais informações e notícias sobre a rede produtiva da gastronomia nas Cidades Criativas Unesco.